Encontros

Cinema da Vela Especial
“Do Super-8 às Plataformas Digitais, dos Anos 1970 à Década de 2020 – As Trajetórias Criativas de Dois Realizadores Brasileiros”

10/12 (quinta-feira)
20h00

Tradicional projeto do CineSesc (SP), Cinema da Vela discute os rumos do cinema em bate-papos que têm a duração do tempo de queima de uma vela. E todos os anos, o Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo promove uma edição especial da iniciativa, com a participação de cineastas cujos filmes participam da programação.

Em 2020 o Cinema da Vela Especial tem por título “Do Super-8 às Plataformas Digitais, dos Anos 1970 à Década de 2020 – As Trajetórias Criativas de Dois Realizadores Brasileiros”. Nele, estão reunidos dois premiados cineastas brasileiros: o gaúcho Otto Guerra e o baiano Edgard Navarro. Ambos esbanjam em suas carreiras criatividade, reconhecimento e irreverência.

Pode-se afirmar, com tranquilidade, tratar-se de um encontro histórico.

Edgard Navarro (diretor)
Cineasta baiano, Edgard Navarro começou realizando filmes em Super-8mm, com destaque para O Rei do Cagaço (1977, integrante da lista definida pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (ABRACCINE) dos melhores curtas-metragens brasileiros de todos os tempos. Em 35mm realizou Porta do Fogo (1985) e Superoutro (1989), este último vencedor do prêmio de melhor média-metragem no Festival de Gramado e integrante da lista definida pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (ABRACCINE) dos melhores filmes brasileiros; realizou três longas-metragens: Eu Me Lembro (2005), vencedor de sete prêmios no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (melhor filme, direção e roteiro); O Homem que Não Dormia (2011), vencedor do prêmio de melhor direção pela crítica no Festival Sesc Melhores Filmes; e Abaixo a Gravidade (2017), vencedor do prêmio da crítica no Fest Aruanda e eleito entre os melhores de 2019 pela revista Época.

Otto Guerra (diretor)
O gaúcho Otto Guerra é um dos pioneiros da animação autoral no Brasil e criador da Otto Desenhos Animados, que se tornou uma das produtoras de animação mais importantes do país. É o único diretor com quatro obras na lista dos 100 filmes mais importantes da animação brasileira, definida pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (ABRACCINE) no livro 100 anos do cinema de animação no Brasil. Entre seus filmes, sempre na contramão dos clássicos, estão Rocky & Hudson: Os caubóis gays (1994), Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock’n’roll (2006), Até que a Sbornia nos Separe (2014) e A Cidade dos Piratas (2019). Em 2020 foi convidado a integrar a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, tornando-se seu novo membro.

MEDIAÇÃO: Maria do Rosário Caetano
Maria do Rosário Caetano é jornalista e pesquisadora. Autora dos livros Cinema Latino-Americano – Entrevistas e Filmes, João Batista de Andrade – Alguma Solidão e Muitas Histórias e Fernando Meirelles – Biografia Prematura. Organizou o livro Cangaço, o Nordestern no Cinema Brasileiro. Recebeu, do Cine PE – Festival do Audiovisual, a medalha do mérito em Jornalismo Especializado. Colaboradora em diversas publicações, como a Revista de Cinema.

Encontro Políticas Públicas e Plataformas Digitais

11/12 (sexta-feira)
16h00 (Brasil), 13h00 (México), 14h00 (Colômbia e Equador)

Nos últimos anos já havia se tornado realidade incontornável o papel central das plataformas digitais de filmes para a fruição da arte, da cultura e do entretenimento cinematográfico.

Com o advento da pandemia planetário da covid-19, esses espaços virtuais passaram a ser imprescindíveis no cotidiano dos amantes do cinema em todo o mundo. No Brasil, por exemplo, foi graças a elas que os festivais de cinema puderam realizar suas edições do ano de 2020.

As políticas públicas voltadas às plataformas digitais ganham importância e urgência diante de tal cenário. Para além das gigantes mundiais da área, são nelas que os cinemas nacionais vão encontrar seu abrigo e se tornar acessíveis ao público.

O Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo promove nesta edição um encontro com algumas das mais relevantes iniciativas da região. Estão presentes as plataformas cine.ar play (Argentina), FilminLatino (México), Retina Latina (Colômbia), Spcine Play (Brasil) e a Academia de las Artes Audiovisuales y Cinematográficas de Ecuador (Equador).

observação: encontro  em espanhol e português, de acordo com o debatedor, sem tradução simultânea.

Gonzalo Ponce Leiva | Academia de las Artes Audiovisuales y Cinematográficas de Ecuador (Equador)
Gonzalo Ponce Leiva é produtor, presidente da Academia de Artes Audiovisuales y Cinematográficas del Ecuador; membro da Corporación de Productores de Cine y Audiovisual de Ecuador e de Egeda – Entidad de Gestión Colectiva de Derechos de los Productores Audiovisuales de Ecuador. É parte do grupo de diretores da Federación Ibero-Americana de Academias de Cine – FIACINE. Produtor executivo do filme Muerte en Berruecos, indicado a melhor filme ibero-americano nos Prêmios Goya 2021. É secretário geral de comunicação da Presidência da República.

Anna Elías | Cine.ar (Argentina)
Anna Elías nasceu em Intendente Alvear, La Pampa, Argentina. É realizadora audiovisual com mais de 15 anos de experiência na indústria cinematográfica. Atualmente é coordenadora de conteúdos da Cine.ar.

Fernanda Río | FilminLatino (México)
Fernanda Río Armesilla é coordenadora e programadora de diversos projetos de exibição cinematográfica, como Sala Nueve e Faro Aragón, na Cidade do México. Coordenou o grupo Exhibición y Crítica Cinematográfica no Campamento Audiovisual Itinerante. Em 2018 publicou Cómo Montar un Cine: Manual para Exhibidores. Colabora em diversas pesquisas sobre formação de público, distribuição, plataformas digitais e cinema mexicano. Foi júri em diversos festivais de cinema. Atualmente é diretora de promoção do cinema mexicano no Instituto Mexicano de Cinematografía.

Claudia Triana | ProImágenes e Retina Latina (Colômbia)
Licenciada em Artes Liberales, Claudia Triana  é gestora cultural com mais de 40 anos de experiência. Foi diretora da Cinemateca Distrital, colaborou no desenvolvimento da Fundación Patrimonio Cine Colombiano e foi diretora desta fundação por nove anos. Desde 1998 é diretora do Fondo Mixto de Promoción Cinematográfica (“Proimágenes Colombia”), organização que administra os recursos do Fondo para el Desarrollo Cinematográfico. Desde 2013 dirige o Fondo Fílmico Colombia, que oferece contrapartidas aos projetos nacionais e internacionais que contratem serviços cinematográficos locais.

Dilson Neto | Spcine Play (Brasil)
Coordenador de difusão da Spcine – Empresa de Cinema e Audiovisual de São Paulo, Dilson Neto é responsável pelo gerenciamento e programação da plataforma Spcine Play e do Circuito Spcine, que conta com 20 salas públicas de cinema na cidade de São Paulo. Graduado em Audiovisual pela Universidade de São Paulo e mestre em roteiro pela Edinburgh Napier University, já trabalhou nas áreas de produção executiva e desenvolvimento de projetos.

MEDIAÇÃO: Ana Paula Sousa
Ana Paula Sousa, jornalista especializada em cinema e políticas culturais, é doutora em Sociologia e mestre em Indústrias Culturais e Criativas. Foi redatora-chefe da Harper’s Bazaar, repórter da Ilustrada (Folha de S.Paulo) e editora de cultura da revista CartaCapital. Atualmente, divide-se entre o jornalismo e o audiovisual. Escreve semanalmente para o boletim Filme B e colabora com diários como Valor Econômico e O Globo. Coordena o Fórum Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e participa da curadoria do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários.

Encontro “Circuitos de Exibição de Cinema Independente na América Latina”

12/12 (sábado)
16h00 (Argentina e Brasil), 15h00 (Bolívia)

Mesmo em tempos de plataformas digitais de cinema e de disponibilização de filmes para aparelhos celulares, computadores, tablets e Smart TVs, mantém-se incomparável a fruição de obras cinematográficas em tela grande e de forma coletiva.

E se a partir dos anos 1980 as salas comerciais se especializam cada vez mais na oferta de grandes produções internacionais vocacionadas ao entretenimento simples, iniciativas valiosas fazem circular projeções independentes empenhadas em discutir questões relevantes de nossas sociedades.

Na América Latina existem diversos circuitos de exibição com essas características. O Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo reúne algumas delas neste ano: Ciclo Independiente (Argentina), Cine Independiente (Argentina), Cine Clubcito (Bolívia) e Vias Audiovisual (Argentina).

O objetivo do encontro é compartilhar suas ricas experiências, que comprovam que o cinema como conhecemos e amamos jamais vai deixar de existir.

Irene Franco | Ciclo Independiente – Ciclo de Cinema Itinerante Latino-Americano (Argentina)
Irene Franco é formada em Artes Audiovisuais pela Faculdade de Artes da UNLP. Dirigiu os longas-metragens Eva y El Aluvión Zoológico e Los Errantes. Está trabalhando na pré-produção do seu próximo filme, Un Año Sin Primavera. Desde 2017 realiza a programação do Ciclo Independiente. Trabalhou como programadora do FICMAI – Festival Internacional de Cine de Maipú e do Festival Cordillera (Equador). Em 2020 fez a programação da seção argentina do Festival Shnit. Está à frente da produção do Shortcup – Festival Internacional de Curtas-Metragens.

Diego Mondaca | Cine Clubcito – Ciclo de cinema latino-americano de La Paz e em Cochabamba (Bolívia)
Diego Mondaca é o diretor dos filmes La Chirola (2008), Ciudadela (2011) e Chaco (2020). É professor do programa de cinema da Universidad Mayor de San Andrés – UMSA e cofundador e programador do Cineclubcito Boliviano, cineclube que desde 2016 se especializa na programação e mediação de cinema latino-americano potente e necessário.

Mariana Rodríguez | Cine Independiente – Plataforma e Rede Audiovisual de San Martín de Los Andes (Argentina)
Mariana Rodríguez é formada em pedagogia e estudou direção de arte e direção de fotografia na Academia Internacional de Cinema (AIC – Río de Janeiro). É graduada em realização integral pela Escuela Nacional de Experimentación y Realización Cinematográfica – ENERC (Buenos Aires). Realizou videoclipes, videoarte, publicidades, curtas-metragens e os longas El Último Otoño en el Remanso e Las Fronteras del Cuerpo. Está produzindo dois documentários. É sócia de Distancias Mínimas Producciones e de Cine Independiente.

Juliana Schwindt | Vias Audiovisuales – Distribuidora de cinema de La Plata (Argentina)
Juliana Schwindt é formada em Artes Audiovisuais pela Faculdade de Artes da UNLP. Junto com Marianela Díaz Román criou Vias Audiovisuales, um espaço focado na produção e distribuição audiovisual. Produziram o documentário Wanderlust, Cuerpos en Tránsito (2019). Atualmente trabalham no desenvolvimento de projetos e na distribuição de longas e curtas-metragens em festivais. Seus trabalhos participaram em eventos internacionais de cinema como o Festival de Mar del Plata, BAFICI – Festival Internacional de Cinema Independente de Buenos Aires, FIDBA – Festival de Documentários de Buenos Aires, Festival de Habana; VIS Vienna Shorts e FICUNAM – Festival Internacional de Cine UNAM, entre outros.

MEDIAÇÃO: Flávia Guerra
É jornalista, documentarista, roteirista e curadora. Tem mestrado em direção de documentário e cinema. É colunista de cinema da Band News FM e criadora do podcast Plano Geral. No último ano, cobriu os festivais de Cannes, Berlim, Veneza e Sundance para o Canal Brasil. Na última década, integrou júris e comissões de curadoria de concursos, editais e festivais no Brasil e no exterior. É curadora do Feed Dog – Festival Internacional de Documentários de Moda.

Debate sobre o filme “Um Dia Qualquer”

12/12 (sábado)
19h00

O Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo promove o debate sobre o filme Um Dia Qualquer, obra que tem sua pré-estreia mundial na programação do evento. É uma oportunidade para que os interessados conheçam detalhes da produção do longa-metragem.

Participam o diretor Pedro Krüger, o produtor Denis Feijão e os atores Augusto Madeira, Mariana Nunes e Vinicius de Oliveira.

Pedro von Krüger (diretor)
Pedro von Krüger é diretor e fotógrafo, sócio fundador da Com Domínio Filmes. Fotografou mais de 10 longas-metragens, como “Fevereiros”, “Auto de Resistência”, “Eduardo Galeano, Vagamundo” e “Danado de Bom”, tendo recebido o prêmio de melhor fotografia no Cine PE – Festival Audiovisual. Como diretor, realizou os longas-metragens “Pulmão da Arquibancada”, “Estrada de Sonhos” e “Memória em Verde e Rosa”, além de curtas-metragens como “Alvará” e a “A Incrível Volta ao Mundo do Tricolor Suburbano”, que recebeu o prêmio de melhor direção no REcine – Festival Internacional de Cinema de Arquivo. Em agosto de 2020 lançou no canal Space a série “Um Dia Qualquer”.

Denis Feijão (produtor)
Denis Feijão é produtor de cinema e entretenimento, fundador da Elixir Entretenimento. Produtor criativo, trabalha com produção de cinema, TV, publicidade e eventos. Em 12 anos, produziu os documentários Raul: O Início, o Fim e o Meio, Som, Sol e Surf, 20 Centavos, Sabotage: Maestro do Canão e Marighella, além dos longas-metragens de ficção Boca do Lixo, Família Vende Tudo, A Memória que Me Contam e Por Trás do Céu, todos premiados. Está pré-produzindo a cinebiografia de músico Chico Science (1966-1997).

Augusto Madeira (ator)
Augusto Madeira é ator de cinema, teatro e televisão. Vencedor do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, na categoria de melhor ator coadjuvante, pelo filme Bingo: O Rei das Manhãs. Acumula mais de 100 filmes no currículo, entre curtas e longas-metragens, como Cilada.com, Uma Professora Muito Maluquinha, Xingu, Os Penetras, Trinta, Vidas Partidas, Tamo Junto, Malasartes e o Duelo Com a Morte e A Menina que Matou o Pai.

Tainá Medina (atriz)
Tainá Medina nasceu na cidade do Rio de Janeiro e começou sua carreira artística como atriz de teatro, chegando a fazer trabalhos como modelo. Estreou como atriz de cinema em A Alegria (2010), drama selecionado para o Festival de Cannes. Alcançou fama nacional após estrelar a novela Rock Story, da Rede Globo. Deu continuidade à sua ascensão com o thriller O Doutrinador (2018), de Gustavo Bonafé.

Vinícius de Oliveira (ator)
Vinícius de Oliveira trabalhou como ator nos filmes Central do Brasil, Linha de Passe, Assalto ao Banco Central, Se Deus Vier Que Venha Armado, Boi Neon e Vende-se Esta Moto. Para a TV, fez o especial Nosso Querido Trapalhão e as séries Carga Pesada, Sob Pressão, Segunda Chamada, Santo Forte, UB – Unidade Básica, Sintonia, Irmãos Freitas, Um Dia Qualquer e Magnífica 70. Também dirigiu e produziu os curtas-metragens Segredos de Banheiros Femininos, Crime de Honra – Ensaio para Intolerantes e Casa de Família.

Master Class “Processo Criativo no Cinema Independente Atual”

16/12 (quarta-feira)
16h00

Em parceria com a Spcine, o Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo promove a master class Processo Criativo no Cinema Independente Atual. Na ocasião, são reunidos dois importantes cineastas brasileiros, Marina Person e Kiko Goifman, para falar sobre os filmes de suas carreiras, que acumulam reconhecimento e premiações.

Kiko Goifman (cineasta, Brasil)
Kiko Goifman assina séries televisivas e os longas-metragens 33 (exibido nos festivais de Locarno e Roterdã), Atos dos Homens (selecionado para o Festival de Berlim e eleito melhor documentário no Festival de Nantes), Filmefobia (melhor filme no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro), Olhe pra Mim de Novo (prêmio especial do júri no Festival do Rio), Periscópio (selecionado para os festivais de Munique e de Roterdã) e Bixa Travesty (vencedor do Teddy Award no Festival de Berlim e do prêmio de melhor documentário no Festival de Cartagena).

Marina Person (cineasta, Brasil)
Marina Person, também atriz e renomada apresentadora, tem atuação profissional na Internet e em emissoras de rádio e televisão. Dirigiu os longas-metragens Person (premiado no Festival Latino-Americano de Trieste) e Califórnia (laureado na Mostra Internacional de São Paulo, Festival Sesc Melhores Filmes, Festival do Rio e no Netia Off Camera International Festival of Independent Cinema).

MEDIAÇÃO: Francisco Cesar Filho
Francisco Cesar Filho é cineasta e curador. Dirigiu Augusta e Futuro do Pretérito – Tropicalismo Now!, além de curtas-metragens premiados, como Rota ABC. É diretor do Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo e curador da Mostra Ecofalante de Cinema e da programação Cinema e Reflexão. Foi diretor adjunto do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários, diretor associado do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum e curador da Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul e da programação Cine Direitos Humanos.