Encontros e Masterclass

Circuitos de Distribuição e Exibição Cinematográfica na América Latina

Encontro

As políticas públicas de fomento às produções e co-produções cinematográficas latino-americanas aproximaram o cinema de toda a região de seu público nos últimos anos. Mas ainda existe uma enorme fragilidade na etapa de inserção dos filmes latino-americanos no circuito comercial de exibição, fator que sobrecarrega e amplia a responsabilidade das mostras e festivais de cinema. Com este e outros pontos para o debate, o objetivo do encontro é problematizar acerca da expansão do circuito de mostras e festivais de cinema, as formas dos filmes chegarem ao público latino-americano, a difusão dos filmes e as diferenças entre o circuito de cinema comercial e o alternativo.

Mediação: Ester Fér
Convidados: Amancay Stumpfs, Ariel Soto, Gonzalo Lamela, Ibirá Machado e Paula de Luque
Data: 12/12/2021
Horário: 16h00

Ester Fér – Mediadora
Professora no curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), com atuação nas áreas de ensino de Roteiro, Direção e Televisão. Coordenadora adjunta do projeto de extensão Cineclube Cinelatino. Atualmente é doutoranda em Multimeios na UNICAMP, onde desenvolve pesquisa sobre processos de criação do roteiro no cinema brasileiro contemporâneo. Possui mestrado em Comunicação pela Faculdade Cásper Líbero, com pesquisa sobre o audiovisual e a política cultural dos Pontos de Cultura na Grande São Paulo. Bacharel em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos. Possui experiência na realização audiovisual, com ênfase na criação de documentários para cinema e TV. É sócia-fundadora da Filmes de Abril Produções Audiovisuais (SP).

Amancay Stumpfs – Cine Cable (Paraguai)
Paraguaia, 24 anos, fotógrafa e laboratorista aficionada. Ex-aluna do curso técnico de Meios Audiovisuais e Fotografia da cidade de Obera Misiones. Coordenou a área de programação em mais de quinze mostras de cinema paraguaio, exibidas na Argentina e Paraguai pela associação cultural Cinecable, responsável do Festival de Cinema Latinoamericano ao ar livre de Encarnação. Coordena a programação do Festival de Cinema do Paraguai que acontece na cidade de Buenos Aires. Trabalha como Figurinista para cinema e televisão e, como realizadora audiovisual, trabalha atualmente com o formato Super 8, utilizando técnicas como o found footage e a intervenção sobre cinta.

Ariel Soto – Bolívia Cine (Bolívia)
Ariel Soto é diretor e produtor documental. Seus trabalhos foram selecionados em vários festivais de cinema e receberam o apoio de Ibermedia, INCAA e Intervenciones Urbanas. Entre seus filmes premiados, destacam-se: Waqayñan, Días de Circo e Héroes de Piedra. Fez parte do DocuLab.5, México. É ganhador do DOCTV IV com o filme Quinuera, exibido em mais de 16 países latinoamericanos. É co-criador de BoliviaCine, a primeira plataforma de streaming exclusiva do cinema boliviano, lançada em abril de 2020. Ariel é responsável da Rodante Filmes, casa produtora estabelecida em Cochabamba, Bolívia, com a qual atualmente realiza coproduções latinoamericanas de documentários e séries.
SITE: https://boliviacine.com/

Ibirá Machado – Descoloniza Filmes
Ibirá Machado é formado em Geografia, mas trabalha desde 2010 com distribuição de cinema independente, quando produziu o lançamento do filme Bollywood Dream – O Sonho Bollywoodiano, primeiro longa-metragem de Beatriz Seigner. Depois, entrou na Vitrine Filmes no ano de sua fundação, onde coordenou o lançamento de mais de 30 filmes, incluindo O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho, Frances Ha, de Noah Baumbach, e Las Acacias, de Pablo Giorgelli. Com a experiência acumulada e a vontade de abrir mais espaço para a pluralidade de narrativas, fundou a Descoloniza Filmes em 2017, uma distribuidora que prioriza obras dirigidas por mulheres, pautas identitárias e de luta e com foco na desregionalização da produção.

Gonzalo Lamela – Eco Cinema (Uruguai)
Gonzalo Lamela (Montevideo, Uruguai, 1978) se especializou em produção e direção de longas metragens documentais sobre a temática de “Outreach and Engagement”, buscando o impacto social através do cinema, participando de várias conferências sobre a temática em locais como o Festival de Cinema de Cannes e a prestigiosa escola EICTV de Havana, Cuba. É criador e diretor da Ecocinema, primeira plataforma internacional de cinema itinerante que utiliza energia solar para seu funcionamento, projeto que se encontra ativo em vários países da América e que, desde seu início em 2012, já alcançou mais de quatro milhões de espectadores.

Paula de Luque – Octubre TV (Argentina)
Diretora de cinema. Escritora. Roteirista. Bailarina e coreógrafa. Diretora cênica. Também é gestora cultural.
Seus filmes mergulham no universo dos vínculos, na reflexão sobre o humano e têm uma forte marca da poética do movimento. É fundadora do EL CLUB, Companhia Independente de Cinema, junto com outros e outras artistas de cinema. Tanto como cineasta quanto bailarina tem numerosos prêmios nacionais e internacionais. Seu primeiro longa-metragem Cielo Azul Cielo Negro integra a mostra de Cinema e Dança no Centro Pompidou de Paris. É gestora cultural, atualmente dirige a plataforma de cinema OctubreTV, é Coordenadora Geral de Artes Audiovisuais da UMET e dirige há quase dez anos distintos Festivais Internacionais de Cinema. É pioneira na realização de Videodança na Argentina.

Mulheres e a Indústria Cinematográfica Latino-Americana

Encontro

Ainda é um grande desafio encontrar espaços de fala e de debate que fomentem a geração e a ampliação da presença feminina no cinema, a fim de alcançar mudanças significativas na indústria cinematográfica a respeito da igualdade de gênero. Na América Latina, como em todo o mundo, as diferenças de oportunidades entre homens e mulheres nos trabalhos envolvidos com o audiovisual são desiguais e abissais. E muitas vezes, as possibilidades de mudança dessa realidade aparecem somente entre colegas mulheres, que se fortalecem lutando para que os espaços geralmente ocupados por homens, sejam também ocupados por mulheres. Este encontro traz experiências de mulheres, que representam outras mulheres, e que unidas em seus agrupamentos propõem refletir, cuidar e transformar a atuação cinematográfica e seus direitos como trabalhadoras audiovisuais.

Mediação: Fernanda Pessoa
Convidadas: Anni Martinez, Kandy Ortiz e Marylu Almazan (Amazonas Eléctricas – México), Giovanna Darcie e Giovanna Pezzo (DAFB-Brasil) e Camila Rodó Carvallo (Nosotras Audiovisuales-Chile)
Data: 13/12/2021
Horário: 16h00

Fernanda Pessoa – Mediadora
Fernanda Pessoa é uma cineasta e artista visual brasileira, que trabalha com documentário, cinema experimental e videoinstalações. Doutoranda na ECA/USP com pesquisa sobre o cinema experimental feito por mulheres na América Latina, mestre em Audiovisual na Sorbonne Nouvelle, sob orientação de Philippe Dubois. Em 2017, lançou seu primeiro documentário Histórias que nosso cinema (não) contava, exibido em diversos festivais e atualmente disponível no Netflix. Seu segundo longa documental “Zona Árida” recebeu Menção Honrosa no Dok Leipzig. Seus trabalhos passaram em festivais como IDFA, RIDM, DOC NYC, DocLisboa, Festival du Nouveau Cinéma, Cinélatino Toulouse, Mostra de Tiradentes, Festival de Brasília, e em instituições como BIENALSUR, REDCAT/CalArts, IMS, entre outros.

Amazonas Eléctricas (México)
O primeiro grupo de staff de iluminação e maquinária focado em empregar e ser uma plataforma para mulheres profissionais, marcando assim uma mudança histórica e sendo um exemplo na indústria do entretenimento no México e Estados Unidos.
FACEBOOOK: https://www.facebook.com/AmazonasElectricaskeyGrip/

Annie Martinez – Amazonas Eléctricas (México)
Ana Bertha Martínez (Anni), com 15 anos de experiência no meio audiovisual, comecei como um extra e fui saltando para outros departamentos, até que pedi uma oportunidade de trabalho em um grupo de iluminação e, em poucos dias, me deram a primeira chance. Daí em diante, é ao que, muito apaixonadamente e com muito amor e vontade, estou me dedicando. Colaboro com diferentes grupos de staff, tanto na publicidade como em séries. Um projeto muito importante para mim foi Spectre.

Kandy Ortiz – Amazonas Eléctricas (México)
Dulce Ortiz, mais conhecida como Kandy, trabalha há dois anos no departamento de luzes e maquinária. É graduada na Universidad Autónoma del Estado de Morelos, na carreira de Processos, Administração e Programação de Redes Digitais. Produtora, roteirista, poeta, fotógrafa e assistente de som, possui quatro fotos publicadas do Palácio de Bellas Artes, três capas de livros publicadas na Espanha, Síria e Sonora – México; e uma galeria fotográfica em um círculo de poesia. Trabalhou como gerente de HMI na EFD International, mas sua vida mudou quando conheceu às Amazonas Eléctricas e o sindicato de Staff. Na atualidade, segue se preparando para o futuro, como dollysta na EFD International e na BUZO. No futuro, quer especializar-se em necessidades fílmicas aquáticas.

Marylu Almazan – Amazonas Eléctricas (México)
Meu nome é Marylu Del Carmen Almazán Garcia.
Sou uma Amazona com muito orgulho, desde que nasci tive a sorte de conhecer o mundo do cinema, graças a meu pai Carlos Almazán Garcia (gaffer). Tive a sorte de acompanhá-lo desde muito nova aos sets de filmagem, para ser exata… desde os três anos de idade. Comecei a meter a mão na massa para trabalhar aos 14 anos.
Sou uma mulher trilíngue, falo espanhol, inglês e russo; um idioma nunca vai te atrapalhar e, assim como com idiomas, trato de me atualizar tecnicamente em luzes e maquinária constantemente com a ajuda de meu pai e conhecidos, para aprender cada vez mais. Fui técnica de câmera em EFD (Equipment & Film Design), adquirindo conhecimento de várias câmeras digitais.

DAFB – Coletivo de Mulheres e Pessoas Transgênero do Departamento de Fotografia do Brasil (Brasil)
Coletivo de mulheres (cis e transgênero) e homens transgêneros que compõem as equipes de Direção de Fotografia do audiovisual no Brasil, criado para organizar xs profissionais do mercado e fortalecer e estimular a nossa participação nesse segmento.
SITE: https://dafb.com.br/

Giovanna Darcie – DAFB (Brasil)
Formada em Comunicação Social pela PUCRS, iniciou sua trajetória no audiovisual brasileiro no departamento de arte. Após trabalhar como técnica em locadora de equipamentos, migrou para o departamento de câmera, onde atua hoje como assistente de câmera tanto no cinema, como na publicidade.

Giovanna Pezzo – DAFB (Brasil)
Giovanna é diretora de fotografia formada pela EICTV, em Cuba. Participou do Berlinale Talents Guadalajara, encontro de jovens cineastas promovido pela Berlinale, em 2014. Realizou a direção de fotografia dos curtas-metragens La llamada, pelo qual recebeu o prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Gramado, e Cheiro de Melancia premiado como Melhor Fotografia no Festival de curtas-metragens de Pernambuco. Também assina a direção de fotografia dos longas-metragens Selvagem, premiado pelo júri popular no Festival de cinema Latino-Americano de São Paulo; O sussurro do Jaguar; e Pele que recebeu menção honrosa no IDFA. É membro do DAFB – Coletivo de Mulheres e Pessoas Transgênero do Departamento de Fotografia do Brasil, desde sua formação.

Nosotras Audiovisuales (Chile)
Uma organização que agrupa mulheres vinculadas à indústria audiovisual chilena. Buscam gerar uma rede de contatos, abrir espaço de colaboração e informar das notícias relacionadas ao setor, a fim de fomentar, promover e visibilizar o trabalho feminino no audiovisual. Essa iniciativa surge a partir da necessidade de conectar as mulheres do audiovisual entre si, na ausência de instâncias existentes que cruzem as barreiras de cada meio particular, como o cinema, a televisão e a publicidade.
SITE: https://nosotrasaudiovisuales.cl/

Camila Rodó Carvallo – Nosotras Audiovisuales (Chile)
Nasceu no Chile. É cineasta e roteirista. Sócia fundadora da Pira Film e gestora da Nosostras Audiovisuales no Chile. Feminista e Cumbianchera.

Daniela Suarez – Nosotras Audiovisuales (Chile)
Realizadora Audiovisual e Gestora Nosotras Audiovisuales.

Mil Ventos na Encenação de Documentários com a cineasta paraguaia Paz Encina

Masterclass

Como conformo uma posta em cena na imagem documental? Como filmo a ausência? Onde está a minha voz? Qual é o gesto da espera? Qual é a cor da minha memória? Qual é a imagem da Memória? Mil Ventos. Uma conversa com Paz Encina.

Convidada: Paz Encina
Data: 15/12/2021
Horário: 17h00

Paz Encina
Paz Encina nasceu em Asunción, Paraguai. Filmou no ano de 2005 seu primeiro longa metragem Hamaca Paraguaya, estreado no Festival de Cannes, onde obteve o prêmio Fipresci. Em 2016, estreou seu segundo longa-metragem, Exercícios de Memória na seção Zalbategi do Festival San Sebastián. No ano de 2018, realizou na Fundação Texo sua primeira mostra individual: O Rio da Memória. No final de 2018 apresentou na Fondation Cartier-Paris suas instalações sonoras. Em 2019 fez parte da mostra Nous Les Abres da Fondation Cartier com sua instalação El Aroma Del Viento. Desde 2020 é membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA. Atualmente se encontra trabalhando em seu terceiro longa metragem EAMI.

A Arte da Animação, Técnicas e Adaptações por Liliana Romero

Encontro

A cineasta argentina Liliana Romero trabalha com audiovisual desde os anos 90, e sua carreira está dedicada especificamente às produções de animação. Neste encontro, mediado por uma das criadoras do Festival Anima Mundi, Aída Queiroz, a homenageada desta edição do festival é convidada a compartilhar ideias e experiências sobre o importante aporte que as mulheres vem realizando historicamente no universo da animação latino-americana, quais as diferenças deste protagonismo feminino desde os 90 até hoje e como a visibilidade desse trabalho segue sendo ampliada a cada ano. A conversa também trata do diálogo sobre as técnicas de animação que Liliana utiliza para realizar seus filmes, seu crescimento profissional, o trabalho em equipe e quais são os seus projetos no futuro próximo.

Mediação: Aída Queiroz
Convidada: Liliana Romero
Data: 16/12/2021
Horário: 20h00

Aída Queiroz
Graduada em Belas Artes pela UFMG e especializada em animação pelo convênio National Film Board of Canada / Embrafilme. É sócia diretora da produtora carioca de animação Campo 4 onde atua como diretora de animação, destacando trabalhos para a Rede Globo de Televisão como aberturas de séries, programas e novelas. Atualmente dirige a animação da série jornalística Mulheres Fantásticas, do programa Fantástico, também da Globo e o curta-metragem O Senhor do Trem, para a Velha Guarda da Portela. Presta consultoria a produções de animação de diferentes segmentos do setor e para projetos afins, como a elaboração do edital para a criação das Mascotes Olímpicas da Rio 2016.

Liliana Romero
Liliana Romero é Licenciada em Artes Plásticas pela Universidad de La Plata e Diretora Artística de Toma Virtual. Seu curta Tanto te gusta ese hombre” (1996), codirigido com Vicky Biagiola, foi apresentado em Annecy e premiado no Festival do Nuevo Cine Latinoamericano. Sua filmografia também inclui El sueño de Ramona Montiel (2003), El color de los sentidos (2005), Martín Fierro: la película (2007), Cuentos de la selva (2009), Anida y el circo flotante (2016), El Gigante egoista (2019).

Preservação de Vídeo Magnético na América Latina com Mariela Cantú

Workshop

Desde meados dos anos 70, em toda a América Latina, incluindo o Brasil, o vídeo magnético foi o principal suporte de gravação de acontecimentos chave da história e processos sociais transformadores e também de importantes experiências artísticas e culturais. Este encontro estará focado na apresentação e análise de técnicas e protocolos de preservação, classificação dos diversos formatos e noções básicas de restauro e ações básicas de conservação e manutenção de vídeo magnético. Problematizando a história dos acervos audiovisuais e refletindo sobre questões éticas e políticas dos arquivos.

Convidada: Mariela Cantú
Observação: Atividade destinada ao programa de Formação Spcine.

Mariela Cantu
Preservadora audiovisual, artista, curadora e investigadora en Artes e Meios Audiovisuais. É Mestre em Preservação e Apresentação da Imagem em Movimento (Univ. de Ámsterdam). Licenciada e professora em Comunicação Audiovisual na Universidade Nacional de La Plata. É membro de RAPA – Rede Argentina de Preservadorxs Audiovisuais e de AREA – Associação de Realizadorxs Experimentais Audiovisuais. É criadora do arquivo Arca Vídeo Argentino, e sua área de investigação tem enfoque na preservação de vídeo magnético. Foi curadora e coordenadora de diversas exibições e suas atividades editoriais abarcam a escrita e a compilação de publicações sobre artes audiovisuais. Como artista, foi selecionada e premiada em diversas mostras e festivais nacionais e internacionais.